• Denis Valença

Descubra as prováveis causas de infiltração no banheiro

Atualizado: 11 de Set de 2020


Um dos piores pesadelos de manutenção residencial são as infiltrações. Muitas vezes você nem percebe que isso está acontecendo e quando se dá conta os danos já são graves. Os problemas começam a aparecer e evoluir cada vez mais rápido, atingindo áreas maiores e deteriorando paredes, forros, pisos, etc.


Os custos para a manutenção começam a crescer, assim como as ações para correção ficam cada vez maiores gerando obras, quebradeira, sujeira, etc. Infiltrações, se não corrigidas podem gerar até mesmo sérios problemas estruturais como a corrosão das armaduras do concreto, problemas de fundações, dentre outros.


Os banheiros normalmente são um dos cômodos em que mais ocorrem infiltrações, pois além de ter grande concentração de tubulações de água e esgoto, são as áreas que recebem água em abundância todos os dias com banhos e lavagens.


Para conseguir identificar e corrigir esse problema primeiro é preciso entender quais são suas possíveis causas.


1. Vazamento em encanamentos


Como dissemos antes, os banheiros tem uma grande concentração de encanamentos tanto de água fria (água limpa) como de esgoto. Algumas infiltrações são causadas por problemas nestas tubulações. Veja a seguir os principais pontos de vazamento em tubulações:


Emendas (conexões) - Os vazamentos ocorrem principalmente por baixa qualidade de execução ou dos materiais utilizados. No caso de algumas construções muito antigas, quando as tubulações algumas vezes eram de ferro, pode ocorrer a corrosão do material ao longo do tempo, gerando também vazamentos.


Registros e chuveiro - Eles podem apresentar vazamentos na sua conexão com o encanamento, escorrendo por dentro da parede, principalmente se as paredes forem feitas de blocos, os quais possuem vazios (buracos) internos.


Ralos - Geralmente os vazamentos acontecem na sua conexão com a tubulação de esgoto ou por fora do ralo (entorno), por problemas de impermeabilização, os quais comentaremos adiante.

2. Movimentos nas fundações


Qualquer edificação está sujeita a sofrer pequenas movimentações verticais em sua estrutura decorrentes da acomodação de suas fundações no terreno (equilíbrio de cargas), principalmente nos primeiros anos após o término da construção. As estruturas são projetadas para que estas movimentações de fundações, quando aconteçam, sejam de forma similar em toda a estrutura diminuindo a chance de grandes torções na edificação e seus elementos construtivos, mas nem sempre é assim que acontece.


Algumas vezes também, mesmo após as cargas da estrutura estarem acomodadas no terreno podem existir ainda as chamadas movimentações diferenciais de fundações que basicamente são quando alguma ou algumas fundações se comportam de forma diferente das demais, seja por alguma deficiência de projeto, por alguma alteração nas condições do terreno (ex: vazamento de água próximo às fundações) ou por algum acréscimo não previsto de cargas (ex: construção de mais um andar não previsto).


A questão é que em todos os casos estas movimentações verticais das fundações podem gerar problemas como descolamento de azulejos, trincas em estruturas (lajes, vigas e pilares), paredes e principalmente revestimentos. Essas falhas facilitam a ocorrência de infiltrações.


3. Efeitos térmicos


As edificações são compostas por uma infinidade de diferentes tipos de materiais que se comportam de forma diferente quando submetidos às variações térmicas comuns no dia a dia como mudanças de temperatura, chuvas, ventos, etc.


As boas práticas de construção tentam ao máximo minimizar essas ações, porém, nem sempre estas boas práticas são seguidas corretamente ou são suficientes para evitar a ocorrência de fissuras em revestimentos cerâmicos (pisos e azulejos) e seus rejuntes, permitindo a ocorrência de infiltrações de água.


4. Falhas da impermeabilização

Abaixo da superfície do revestimento cerâmico (pisos e azulejos) do banheiro, normalmente existe algum tipo de camada de impermeabilização. Isto é o que diz a boa prática das construções, mas existem casos em que o construtor não a executa ou executa incorretamente.


A seguir, veja os principais pontos em que a impermeabilização pode falhar e permitir a ocorrência de infiltrações.


Ralos - A impermeabilização do entorno dos ralos precisa de uma atenção especial, ela deve descer alguns centímetros na abertura feita na estrutura para passagem da tubulação de forma a evitar que água entre por ali. Por ser um arremate difícil e delicado, nem sempre é executado corretamente podendo permitir infiltrações.


Ligação Piso / Parede - A maioria dos tipos de impermeabilização necessitam que os “cantos vivos” (cantos com ângulo de 90º) como as ligações entre pisos e paredes, sejam levemente arredondados antes da sua aplicação, pois são regiões de acúmulo de tensões da edificação e podem romper a impermeabilização tornando ela ineficiente.


Término da Vida Útil - A maioria dos materiais de impermeabilização possuem uma vida útil que normalmente é em torno de 10 anos (material e execução). Após este período, os materiais podem apresentar falhas como trincas em função do seu ressecamento, deterioração por conta do seu envelhecimento, etc.


5. Falhas nos revestimentos

As áreas de banheiro são revestidas total ou parcialmente por cerâmicas (pisos e azulejos), embora se diga que esses revestimentos não são totalmente impermeáveis, alguns podem chegar a uma absorção de água abaixo de 0,5%, ou seja, uma boa qualidade do material e de sua aplicação podem sim conferir uma ótima barreira contra infiltrações.


Os problemas mais comuns nos revestimentos cerâmicos são a ocorrência de trincas e descolamentos de peças, porém o ponto mais frágil são seus rejuntes. Com o passar do tempo trechos de rejuntes podem começar a se soltar ou ainda apresentar microfissuras, permitindo assim a infiltração de água. Caso a impermeabilização falhe, certamente ocorrerão infiltrações.


Como saber se existem infiltrações no banheiro


Os principais sinais observados quando existem infiltrações vindo de banheiros são:

  • Cheiro ou presença de mofo e umidade em cômodos nos arredores do banheiro (ou em andares inferiores), em armários, tetos, paredes e pisos;

  • Pinturas e revestimentos descascando ou com presença de bolhas em tetos (embaixo da região de banheiros) ou paredes (internas e externas);

  • Trincas em pisos e azulejos do banheiro, principalmente na área do chuveiro;

  • Rejuntes de pisos e azulejos soltando, apresentando buracos ou pequenas fissuras.

É importante lembrar que muitas vezes o foco da infiltração pode não ser próximo ao local onde ocorrem os problemas, pois a água procura sempre os caminhos mais fáceis para “caminhar” e pode aparecer onde menos se espera, por exemplo, uma infiltração que ocorre na área do chuveiro pode gerar problemas em pisos e paredes fora do banheiro, em corredores, dormitórios, salas, fachadas, ou até mesmo, residências vizinhas. É preciso ter um olhar crítico e aplicar um processo de diagnóstico para verificar exatamente qual é o foco do problema possibilitando uma correção eficiente.


#infiltracao #banheiro #infiltracaonobanheiro #comoacharinfiltracaonopisodobanheiro #oquepodecausarinfiltracaonobanheiro #comodescobrirdeondevemainfiltracao #comoacabarcomainfiltracao #comodetectarinfiltracaonoteto #infiltracaonochaodobanheiro #infiltracaonoazulejodobanheiro #infiltracaonoralodobanheiro

Copyright© 2020 Valença de Sousa Construções Ltda

CNPJ 11.806.329/0001-60

(11) 94171-2908

LOGO COMPLETO RECORTADO.png